Logotipo Construcompras, plataforma de gestão de compras de materiais para construção civil

Obras públicas, um mundo à parte

Entenda como funciona o mundo das obras públicas e o departamento de compras e suprimentos.
Obra de uma ponte inacabada a luz do dia

O departamento de compras e suprimentos de uma construtora com foco no setor público participa dos projetos construtivos antes mesmo da empresa vencer a licitação da obra. De acordo com Raphael Veigas, orçamentista responsável pela área na Rodoserv Engenharia, quando chega o projeto com a lista de materiais a serem utilizados, é feito um pré-orçamento com os fornecedores para avaliar a viabilidade de participar da concorrência.

“Diante da planilha de insumos, utilizamos a curva ABC para saber o quanto vamos gastar na execução das obras públicas e avaliar se vale a pena concorrer”, conta.

Ele explica que na elaboração dos estudos pela curva ABC, os produtos mais significativos (A) representam 80% da obra e (B) representam em torno de 15% dos materiais, sendo que o restante entra como itens da letra (C) da curva. Cita como exemplo o serviço de acabamento do prédio da Faculdade de Engenharia Agrícola da Unicamp, em Campinas.

“Acabamos de vencer a licitação para essa obra que tem diversos produtos na linha (A) e o de nível mais significativo é o chapisco, que demanda cimento, cal, areia e mão de obra. Orçamos os insumos e o custo horário do pedreiro para chegar ao valor que será oferecido na licitação, já com a margem de desconto a ser negociada com o fornecedor, visando garantir o lucro da empresa”.

Veigas explica que, após vencer a licitação, o departamento inicia a compra dos insumos propriamente dita. Ao fazer o orçamento prévio, a empresa elenca uma relação de possíveis fornecedores, mas na hora de executar a obra inclui na pesquisa outros fabricantes para chegar a melhores preços.

“A ferramenta Construcompras nos ajuda e dá um retorno muito rápido. O orçamento que demorava um dia, agora demora apenas uma hora, e com um número maior de participantes. Antes de usar o Construcompras, minha relação de fornecedores era limitada. Hoje, dependendo do insumo, tenho instantaneamente mais de 50 interessados”, comemora.

Veigas explica que, em alguns casos, o prazo para participar da licitação é curto e o orçamento prévio é feito apenas com os principais materiais. “Nesses casos concorremos com margem de risco, que será eliminada na hora de comprar os itens necessários”, diz. Quando a quantidade de materiais indicada na concorrência é insuficiente, é necessário fazer termo aditivo para poder comprar o que falta. “Isso é comum porque a previsão é feita com base no projeto inicial e durante a realização da obra sempre dá diferença. É bom lembrar que em obras públicas tudo é acompanhado por um fiscal do órgão contratante”, ressalta.

Baixe aqui um guia de melhores práticas na gestão de suprimentos da construção civil.

MELHORES PRATICAS NA GESTAO DE SUPRIMENTOS NA CONSTRUCAO CIVIL BANNERBANNER

CUSTO X QUALIDADE

O segredo do sucesso do setor de compras e suprimentos em construtora de obras públicas está na busca por bons preços e qualidade. Segundo Veigas, a margem de lucro da construtora fica na casa dos 8%. Os gastos com mão de obra envolvem em torno de 35% e outros 60% com materiais. Ele diz que na Rodoserv as compras têm volumes variados. Na construção do MOP – Módulo Operacional Provisório do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, por exemplo, a empresa comprou 1400 m² de painéis termoacústicos, que foram usados no fechamento do pavilhão.

No dia a dia do comprador, a maior dificuldade está em conseguir bons fornecedores, que garantam a entrega do material com qualidade, preços baixos e no prazo estipulado. “É muito difícil saber o limite deles. Mas a gente chora bastante para reduzir preços. Minha prática é cotar com, no mínimo, três para obter a média de preços”, informa. Veigas ressalta, ainda, que o profissional de compras precisa conhecer bem o setor produtivo de cada insumo e avaliar se o fornecedor terá condições de cumprir contratos para que não haja atrasos na obra, pois isso também acarreta prejuízos.



Redação AECweb / Construmarket


Leia também:

Mapa Comparativo de Preços

Por que integrar sistema de compras, ERP e software de gestão


Banner demo construcompras

COLABOROU PARA ESTA MATÉRIA

 Raphael Augusto Veigas – Técnico em Edificações pela ETEC-Centro Paula Souza com especialização em Alpha Channel – Computer Graphics Center (Maquete Eletrônica com 3DS Max); Multiplus Softwares Técnicos (Arquimedes e Controle de Obras); Globo Data (AutoCad) e graduação em Ciência da Computação pela Universidade de Guarulhos.

É comprador da Rodoserv Engenharia e desenhista projetista. Responde pelo levantamento das quantidades de materiais a serem utilizados em vários tipos de obras, cotações diretas com fornecedores, desenvolvimento de composições no programa de orçamentos e elaboração de planilhas orçamentárias, cronograma físico-financeiro, propostas técnicas e comerciais, fechamento de orçamentos, composição de preços unitários e planejamento de obras.

Lorem ispum

Lorem ipsum dolor sit amet

Conteúdos relacionados

Inscreva-se em nosso blog gratuitamente e receba as novidades!

Construcompras ferramenta digital para compra de materiais de construção.

Comece já a economizar até 30% nas suas compras.